IPC 824

DESTAQUE – GRANDES EXEMPLOS A SEREM SEGUIDOS – Pág.26

SAMPAPÃO homenageia panificadores paulistas pela materialização de seus projetos de crescer sempre mais e contribuir para o desenvolvimento do setor.

 

Para homenagear o talento e a criatividade desses empreendedores, já há muito tempo o SAMPAPÃO idealizou o Prêmio “Panificadores do Ano”, por meio do qual celebra o sucesso do trabalho de um seleto grupo de empresários do setor, escolhidos para representar toda a categoria dos panificadores paulistas.

Em sua luta constante pelo aumento de produtividade e de competitividade de suas casas, esses profissionais são exemplos de que atributos como disposição e humildade para aprender sempre, somados à resiliência – aquela capacidade de se adaptar sempre aos novos –, não só possibilitam crescimento financeiro, como também pessoal deles e de todos aqueles que os rodeiam.

Conheça, então, um pouco mais da história dos homenageados de 2019 e Prêmio “Panificadores do Ano” do SAMPAPÃO, esperando que suas trajetórias inspirem ainda mais a evolução e os avanços do nosso setor. A entrega das homenagens será feita, com grande destaque, durante o jantar do Dia do Panificador, em 5 de julho, no Buffet Torres-Moema. Confira!

 

AS MULHERES TÊM A FORÇA

Cada vez mais mulheres assumem cargos de liderança nas empresas, e, com seu talento, criatividade e sensibilidade, vêm revolucionando o modo de fazer negócios no Brasil e no mundo. E, no ramo da panificação, isso, é claro, não poderia ser diferente. Que o diga Maria Lúcia Santiago Maia, proprietária e comandante da motivada equipe de colaboradores da Pães e Doces Jardim Europa, simpática, aconchegante e refinada padaria da Rua Dr. Mário Ferraz nº 43, localizada no coração do bairro que lhe dá nome.

A panificação é um negócio de longa data na família de Lúcia. Seu marido Júlio há muitos anos comanda a Padaria Marajá, uma das mais tradicionais do centro de São Paulo, enquanto o filho Lucas administra a não menos famosa Padaria Varella, do Jardim da Saúde. Já seu outro filho, Rafael, cuidava da Europa. “Cuidava”, porque depois de dez anos de trabalho na casa, resolveu, no início deste ano de 2019, diversificar suas atividades, partindo para o ramo de bares, deixando para ela a tarefa de comandar a casa da Mário Ferraz. “Bem, não posso dizer que eu não tinha experiência na panificação, porque sempre atuei nos ‘bastidores’, auxiliando meu marido e filhos na gestão dos negócios. Embora sempre pudesse contar com o suporte deles, assumir a frente da Europa, sozinha, foi algo bastante desafiador”, conta Lúcia, com um sorriso.

Mas, agora, cerca de seis meses depois, dá para ver que ela tirou de letra o desafio, e, com muita coragem, determinação e tranquilidade, incorporou o cargo de direção da casa com em tempo recorde e com maestria excepcional. “Todo dia, atravesso a cidade para chegar aqui por volta das 6h00. Trabalho o dia inteiro com muito amor pelo que faço e, quando me dou conta, o dia já passou e chega a hora de fechar, para voltar para minha casa, cansada, é verdade, mas sempre muito satisfeita. A padaria é a minha vida”, revela, com alegria e um jeito simples e cativante de falar.

E essa satisfação, naturalmente, se estende aos clientes que, todos os dias, também fazem questão de visitar a Padaria Europa, para tomar um cafezinho e comer um delicioso pãozinho crocante, ou, então, para saborear um almoço gostoso, cujo cardápio sempre traz alguma novidade. “Qualidade de produtos e serviços e atendimento personalizado são marcas registradas da casa. Por isso, oferecemos aos nossos clientes receitas fabricadas por meio de métodos tradicionais, com pães feitos com farinha de primeira e diferentes tipos de grãos e recheios de doces produzidos aqui mesmo, o que dá personalidade aos nossos itens. E isso faz uma diferença enorme, que os consumidores percebem e aprovam”, ensina.

Por tudo isso, Lúcia considera que receber a homenagem do Prêmio “Panificadores do Ano 2019” do SAMPAPÃO é muito gratificante, porque, de certa forma, representa a coroação do sucesso de seu esforço e do seu compromisso constante de sempre fazer o melhor à frente da Europa. “Fiquei muito feliz e orgulhosa com a notícia, porque essa é mais uma prova de que estou no caminho certo, e de que tudo que fiz para chegar onde estou hoje foi correto e bastante produtivo. E, mais do que isso, sinto que essa é uma conquista que posso e devo estender a todas as mulheres panificadoras, que, como eu, se dedicam e têm muito amor por aquilo que fazem”, finaliza, emocionada.

 

MAIS DO QUE CLIENTES, AMIGOS

Quando atravessou o Atlântico, em maio de 1962, vindo do distrito de Bragança, da província histórica de Trás-os-Montes, região do Norte de Portugal, João Batista Pires não imaginava que aquela viagem longa até o Brasil iria lhe trazer tantas oportunidades e tantas conquistas na vida.

Seu primeiro emprego por aqui foi trabalhando no pequeno bar de um cunhado, na Av. Santo Amaro, e, mais tarde, em outro, no Brás. Na sequência, decidido a ter seu próprio negócio, comprou um bar na entrada da favela do Vergueiro, no qual ficou por dois anos, até vender sua parte para um sócio. Com a experiência adquirida no comércio, já em 1977, arrojou-se a comprar sua primeira padaria, a Pio XII, na Av. Faria Lima, em Guarulhos. Daí, depois de entrar e sair de sociedade em outras casas, em 1993, resolveu estabelecer-se na Panificadora Nova Guarulhos, padaria localizada na Rua Albino Fantazzini nº 90, no bairro da Vila Augusta, naquele município da Grande São Paulo, na qual, até hoje, divide o comando com o filho e sócio Marco Antonio.

“A padaria, apesar de pequena, era muito bem montada. Mas logo sentimos que precisaríamos fazer uma reforma nela, o que aconteceu cerca de um ano depois de a assumirmos. E o negócio ia também, que, oito anos depois, fizemos outra reforma, ampliando o espaço com a aquisição de alguns comércios vizinhos, até chegar ao formato que ela tem atualmente”, explica João Pires.

Porém, mais do que uma padaria de sucesso, a Nova Guarulhos é hoje um ponto de encontro de amigos naquela parte do município. “Não temos uma freguesia, mas, sim, uma família composta por muitos amigos, que vêm até aqui para compartilhar parte do seu dia e nos dar o prazer de tomar um café e almoçar conosco”, destaca Marco Antonio, mostrando a casa cheia muito antes do meio-dia de uma segunda-feira ensolarada.

E embora a rotina da padaria continue sempre puxada, João Pires, do alto de seus 81 anos, parece um menino circulando entre as mesas, puxando conversa com os clientes. “Ele nem cogita a aposentadoria. Todo dia, às 4h30 da manhã ele chega aqui com a corda toda, aqui junto com meu filho Marco Jr., sempre motivado para enfrentar uma nova jornada. E, uma vez por semana, faz questão de pegar a pick-up dele e dirigir até o Makro aqui perto fazer compras, sem nunca se cansar. A padaria é a vida dele”, confidencia Marco.

“Para mim, receber a homenagem do Prêmio “Panificadores do Ano 2019” do SAMPAPÃO é prova incontestável de reconhecimento por todo o esforço que dediquei e continuo dedicando à panificação. É muito gostoso saber que o nosso trabalho é valorizado por gente do ramo, que entende o tamanho do nosso sacrifício diário. E esse é um prêmio que faço questão de dividir com a minha família e com toda a equipe da Nova Guarulhos, hoje composta por quase 50 colaboradores. Gente em quem podemos confiar e ter a certeza de que nos ajudará a seguir sempre em frente, rumo a um futuro sempre melhor”, finaliza, animadíssimo, João Pires.

 

TRINTA ANOS DE MUITO SUCESSO

O último dia 9 de junho foi uma data muito importante na trajetória da Panificadora Canaã, localizada na Rua Antonio do Campo nº 444, no bairro de Pedreira, na Zona Sul de São Paulo. Nela foram comemorados os 30 anos da casa sob o comando dos irmãos Marcelo e Maurício da Costa Fernandes, do tio de ambos, Aguinaldo Alves da Costa e do sobrinho deste e cunhado dos primeiros, Benedito Ronaldo da Silva.

Com justificável orgulho, o aniversário coroou o fechamento de mais uma bem-sucedida etapa de trabalho do quarteto familiar à frente do empreendimento que, hoje, é ponto de referência na região, e que já se tornou uma extensão do lar de todos os seus clientes e frequentadores. “Nosso público é essencialmente formado por moradores, tantos os mais antigos, que assistiram de perto o nosso crescimento junto com o bairro, quanto os mais novos, que estão chegando em grande quantidade, em função da verticalização imobiliária da região”, explica Marcelo. “E esse aniversário não deixa de ser também uma homenagem ao nosso avô, português de Espinho, cidade pertencente ao distrito de Aveiro, na área metropolitana do Porto, que veio para o Brasil, que sempre teve o sonho de ter uma padaria, mas nunca conseguiu concretizá-lo, por razões da vida”, complementa Maurício.

Ao longo dessas três décadas, a Canaã passou por duas grandes reformas, a última há 13 anos, que a deixou perfeitamente atualizada. Além dos carros-chefes – o pão francês e os itens de confeitaria –, a casa oferece, entre outros, serviço de café da manhã, almoço a la carte, e serviço de copa, com uma ampla variedade de lanches, além de pizzas à noite.

“Nossas receitas são fabricadas a partir de métodos tradicionais. Nos pães, só entra farinha premium, e a expertise de nossos padeiros, que dão seu toque pessoal em tudo que fazem. E nosso atendimento é de primeira, sempre atencioso e cordial”, enfatiza o decano Aguinaldo, do alto de seus 77 anos, que, há alguns anos até chegou a se aposentar, mas não resistiu ao chamado da padaria e voltou a trabalhar na Canaã. “Não tem jeito: a farinha entrou na veia”, brinca ele, sorrindo.

“A padaria é um tipo de comércio privilegiado, que está sempre evoluindo e consegue agregar várias coisas, como pizza, lanches, hambúrgueres, esfihas, assados, almoço, caldo e muito mais. A padaria é um tipo de comércio privilegiado. Afinal, que outro tipo de varejo alimentar consegue fazer tudo isso e ainda vender pão de primeira qualidade?”, pergunta Maurício. “Mas, é preciso ter coragem e saber explorar esse leque de possibilidades, fugindo da mesmice e sempre oferecendo novidades para os clientes”, emenda o panificador.

E toda essa expertise acumulada ao longo de 30 anos de panificação dos sócios-proprietários da Panificadora Canaã valeu, merecidamente, a conquista do Prêmio “Panificadores do Ano 2019” do SAMPAPÃO. “Estamos muito felizes e gratos por essa distinção, que significa muito para nós. Trata-se do reconhecimento dado a um trabalho constante e muito bem feito, ainda mais quando, a gente sabe, se fala de uma padaria de periferia, que nem sempre é valorizada. E muitas das ideias que se provaram vencedoras por aqui, nós trouxemos da troca de experiências no SAMPAPÃO, um lugar onde temos muitos e verdadeiros amigos”, finaliza Marcelo, com justificável orgulho.

 

A MAIS BRILHANTE DO LAGEADO

A história da Padaria e Pizzaria Estrela do Lageado, localizada na Av. Nordestina nº 5.279, no Parque Guaianazes, Zona Leste de São Paulo, teve inicio em 1986, quando José Alves Feitosa, cearense de Acopiara, comprou a casa e ali começou a tocar os seus negócios. Apesar das dificuldades naturais do início, o empreendimento logo se mostrou bastante promissor, tanto que, logo no ano seguinte, José Wennes Alves Gonçalves, primo de Feitosa, veio a se juntar a ele na Lageado. E, três anos mais tarde, em 1990, Luís Alves Neto, irmão de José Wennes, também fez o caminho da Acopiara para São Paulo, para se juntar a eles.

“Só que em 1993, nosso primo José Feitosa resolveu voltar para o Ceará, e nós assumimos a padaria como arrendatários. E foi só cinco anos depois que eu e o Neto adquirimos a primeira cota, de 30%, da sociedade, e fizemos a primeira reforma na padaria, que acabou ficando 100% nossa somente em 2016”, conta José Wennes. E, ao longo desse processo, um vizinho da padaria e amigo de mais de 30 anos da dupla de irmãos, Antonio Davis Fernandes, também veio a ser unir a eles na sociedade.

Desde sempre, com bom feeling sobre as perspectivas do negócio, os três sócios perceberam que o ponto da padaria era muito bom e repleto de possibilidades. “Vimos que o público do bairro era muito carente de opções, e toda vez que queria tomar um café com os amigos ou almoçar com a família, tinham que dirigir por grandes distâncias até o Tatuapé. Então, decidimos fazer algumas mudanças essenciais. Assim, após a primeira reforma da Estrela, no final de 1998, com reinauguração no início de 1999, ampliamos os espaços e implantamos o serviço de restaurante no almoço e instalamos um forno a lenha para produzir pizzas de excelente qualidade. Nesse período, chegamos a vender um número recorde de 5.500 num só mês”, lembra Neto.

Pouco tempo depois, o trio de sócios da Estrela do Lageado recebeu um conselho muito sábio de Delcino Pedro dos Santos, diretor do SAMPAPÃO e proprietário da Padaria Chip’s, de Poá: “Foquem nos produtos de vocês e tentem melhorar sempre!” E foi o que eles fizeram. Assim, como reflexo do valioso alerta de Delcino, José Wennes, Neto e Antonio partiram, por exemplo, para a fabricação de pães pelo método tradicional, com uso de farinha premium, sem pré-misturas. “Em outras palavras, voltamos às origens da panificação, resgatando a essência e a tradição das receitas da padaria”, sublinha Antonio.

E esse conjunto de soluções, para alegria dos clientes e para os proprietários da Estrela do Lageado deu – e continua dando – muito certo. Tanto que o trio de sócios está sendo merecidamente homenageado com o Prêmio “Panificadores do Ano 2019” do SAMPAPÃO, o que lhes traz imensa alegria. “É um reconhecimento importante, que vem em muito boa hora. É gratificante: ficamos muito lisonjeados e duplamente felizes, porque quem trouxe a notícia do prêmio para nós foi o próprio Delcino, um amigo querido, de quem a gente gosta e cujo trabalho respeitamos muito”, conclui, emocionado, José Wennes.

GARRA E DISPOSIÇÃO NO DIA A DIA

Nascido em Freixiel, freguesia portuguesa do concelho de Vila Flor, em Trás-os-Montes, José do Nascimento Pereira chegou ao Brasil com a família em outubro de 1975, vindo de Angola, cerca de um mês antes da declaração de independência daquela antiga colônia de Portugal.

“Eu tinha vivendo no Brasil uma tia e madrinha, para quem escrevi aventando a possibilidade de vir para cá, e ela, sem hesitar, me respondeu que viesse, porque este era um país muito bom, no qual não faltavam oportunidades para quem quisesse trabalhar. E, assim, eu fiz. Vim direto e logo encontrei emprego numa padaria aqui mesmo no bairro do Jaraguá, a Arestal. Naquele tempo, isso aqui era uma zona rural, mas a Arestal era a única padaria do lugar, e já tinha bastante movimento”, lembra ele.

Depois de pouco mais de três anos atuando ali como empregado, Pereira juntou algumas economias e comprou um pequeno bar no mesmo bairro, onde permaneceu por cerca de um ano e meio, trabalhando muito, de 15 a 16 horas por dia, entrou como sócio em sua primeira padaria, a Mogadourense, também no Jaraguá. Mais ou menos nesse tempo, incentivou seu irmão, Manuel Luís Gonçalves, a vir de Portugal para o Brasil para trabalhar com ele.

Já com capital nas mãos, os irmãos resolveram então comprar um mercadinho e um terreno situado na Rua Dr. Rafael de Araújo Ribeiro nº 1.354, na Vila Santa Lucrécia, e ali, em setembro de 1987, começaram a construir uma padaria com o nome especialmente escolhido para homenagear sua cidade natal: a Freixiel Pães e Doces, inaugurando a casa em abril de 1988. “Foi um tempo muito bom, no qual chegamos a desmanchar 15 sacos de farinha por dia para vender pão no balcão. Comprávamos carretas com 600 sacos de farinha por mês. Depois disso, a padaria, que já era muito bonita e espaçosa, passou por duas reformas, a última há 11 anos, para adaptá-la ao crescimento da clientela”, lembra, por sua vez, Manuel.

Atendendo a um público eminentemente residencial, o pão continua sendo o carro-chefe da casa, embora, hoje, a padaria já integre serviço de restaurante no almoço e oferta de pizzas, sopas e caldos à noite, períodos em que, invariavelmente, a casa fica sempre lotada. E o mesmo acontece com a outra padaria que os irmãos também administram num bairro próximo à Freixiel. “Trabalhamos muito, e embora os tempos andem bicudos para os negócios, viver no ambiente de padaria é muito compensador, porque cada cliente, mais do que um freguês, é um amigo para nós”, resumem, em uníssono, Pereira e Manuel, que contam com auxílio de seus respectivos filhos, Hermínio e Sérgio, na condução dos negócios de ambas as casas.

Com garra e disposição, a dupla de irmãos acredita no futuro da padaria. Por isso, continuam firmes e fortes em seu propósito de fazer a sua parte da melhor forma possível, uma das razões pelas quais foram eleitos para receber a distinção do Prêmio “Panificadores do Ano 2019” do SAMPAPÃO. “Entendemos essa nossa conquista como gratificante e muito importante para nós, porque quem trabalha duro no dia a dia da padaria como a gente, ao longo de quase 45 anos no ramo da panificação, merece ser reconhecido”, finaliza Pereira.